Notícias & Novidades

O papel do enfermeiro na assistência Obstétrica

O cuidado para com o ser humano sempre esteve atrelado aos deveres e atribuições do profissional de enfermagem. Portanto, não é surpresa que o enfermeiro tenha um papel de destaque em um tema que está ganhando muita relevância ultimamente: o parto humanizado.

Em teoria, todo parto deveria ser humanizado, no sentido de repeitar o ser humano. Todavia, ao longo dos últimos anos, por diversos fatores, a mulher perdeu o protagonismo desse momento único na vida. Consequentemente, o parto, que deveria ser encarado como um processo fisiológico, tornou-se um procedimento hospitalar.

Visando mudar essa ótima, restaurar o protagonismo da mãe durante o parto e respeitar as condições fisiológicas do nascimento do bebê surgiu o movimento do parto humanizado. Basicamente, é o nome dado ao parto que respeita todas essas condições e prevê intervenção externa somente quanto necessário.

Diretrizes e normas do parto humanizado

As principais diretrizes sobre o parto normal no Brasil foram estipuladas pela Secretaria de Atenção a Saúde do Ministério da Saúde, por meio da Portaria 353/2017, publicada no 353/2017. O documento foi o resultado de uma série de debates com agentes especialistas na área.

Incluindo, a área técnica de Saúde da Mulher do Ministério da Saúde, a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec) e entidades representativas da Enfermagem e Medicina. Participando também atores da sociedade civil.

Uma das especificações que as diretrizes trazem é quando aos profissionais aptos e autorizados a conduzir o parto: médicos e enfermeiros obstétricos. Dessa maneira, a humanização do parto é incentivada pelos órgãos de saúde, o que inclui a regulamentação e o incentivo da qualificação dos profissionais de enfermagem.

A importância do enfermeiro no parto humanizado

A própria Organização Mundial de Saúde (OMS) estabelece que gestações de baixo risco podem ser acompanhadas pelo profissional de enfermagem obstétrica. Como o parto humanizado prevê o mínimo de intervenção possível, mas apoio e assistência à mãe e ao bebê, o enfermeiro é um dos pilares desse momento.

É papel do enfermeiro obstétrico:

  • proporcionar à mulher conforto e segurança durante o parto;
  • praticar a escuta ativa, criando vínculo com a parturiente e percebendo necessidades da mesma;
  • ajudar a acalmar, encorajar e reduzir a ansiedade da mãe;
  • escutar, respeitar e promover as vontades da gestante quanto ao ambiente e o momento do parto;
  • estar livre de quaisquer tipos de preconceito durante o parto;
  • fazer uso de intervenções, como anestesia, somente se e quando este for o desejo da mulher;
  • acolher e dar suporte a toda a família, pois esses também são agentes fundamentais no parto humanizado;
  • educar, tirar dúvidas e desmistificar preconceitos sobre o parto normal e respectivas vantagens do mesmo para a mãe e o bebê;
  • auxiliar nos processos administrativos dos hospitais, como supervisão da enfermagem, abastecimento de recursos, entre outros.

O incentivo ao parto humanizado está crescendo no Brasil. Por conta disso, os hospitais estão passando a investir em mais estrutura e profissionais para dar suporte às famílias que tem desejo de ter o filho por esse meio. Consequentemente, a procura por enfermeiros com especialização em obstetrícia é crescente e é um forte nicho do mercado.

O Ibrate conta com a Pós-Graduação em Enfermagem Obstetrícia para a atenção integral à saúde da mulher, em seu processo de parturição, dentro dos preceitos do modelo holístico. Saiba mais clicando aqui.

Veja Também