Notícias & Novidades

Artigos sobre PICs e COVID-19

Saiba mais sobre o Mapa de Evidências e sobre as contribuições das Medicinas Tradicionais, Complementares e Integrativas (MTCI) em tempos de COVID-19.

Com o objetivo de contribuir positivamente com a situação que estamos vivendo e entendo a real e importante possibilidade das PICs/ Medicinas Tradicionais contribuírem na assistência aos portadores de COVID 19, a Faculdade IBRATE está abrindo um canal de comunicação com todos os interessados para disponibilizar alguns artigos que foram utilizados como base para a ANS fazer a recomendação das PICs no Manejo dos sintomas do COVID 19.

Para iniciarmos, selecionamos 4 artigos científicos que fazem parte do Mapa de Evidências sobre as contribuições das Medicinas Tradicionais, Complementares e Integrativas (MTCI) no COVID-19.

A Drª Sandra Silverio Lopes apresenta abaixo comentários apresentando estes artigos.

COVID 19 e fitoterapia chinesa.

A MTC é dividida nos seguintes seguimentos: acupuntura (incluso recursos como agulhas, moxabustão, ventosaterapia e sangrias), fitoterapia chinesa, massoterapia (tui-ná), e exercícios terapêuticos (tchikun, liangong, tai chi chuan).

O uso da fitoterapia na China tem um histórico muitíssimo antigo, desde os primórdios desta civilização, centenas de anos antes da era cristã. Os fitoterápicos chineses são conhecidos por suas Fórmulas, agrupando além de ervas medicinais, partes de animais dissecados (moídos) e porções de minerais. Portanto a fitoterapia chinesa utiliza-se dos 3 reinos da natureza: vegetal, animal e mineral.

Aplicação de MTC no tratamento da COVID 19 é incentivada através da Comissão Nacional de Saúde da China em sua 6º edição de 7 de março de 2020,cujos conteúdos estão no artigo Protocolo Prevention and Control of Novel Coronavirus Pneumonia, National Health Commission. As bases de recomendação da Fitoterapia Chinesa no tratamento e prevenção da COVID 19, foi baseada na experiência anterior que a China teve no enfrentamento do tratamento de SARS causada por surto de coronavírus SARS (SARS-CoV) no final de 2002, na Província de Guangdong. O vírus que causou a epidemia de 2002 é 80% semelhante com o vírus causador da COVID 19.

Um dos artigos que recomendamos (TraditionalChinese Medicine in the Treatmento Patients Infected with 2019- New Coronavirus (SARS-CoV-2): A Revie wand Perspective) relata que durante aquela epidemia na China, foi ministrado fitoterápicos de maneira preventiva e curativa em 1063 voluntários, entre trabalhadores com alto risco de contaminação, na linha de frente de 926 hospitais. Os autores acreditam que este procedimento reduziu a taxa de mortalidade desta população de maneira expressiva. As fórmulas fitoterápicas utilizadas foram :Sang Ju Yin e Yu Ping Feng San. Resumimos um pouco do que estas fórmulas podem propiciar ao olhar da MTC. – Sang Ju Yin (decocção de folha de amora e crisântemo). Classifica-se como fórmula de efeito pungente, frescas que aliviam a superfície. Com ação diaforética (provoca sudorese, para retirar o calor interno), antitussígena, reduz fleugma do pulmão. – Yu Ping Feng San (pó de biombo de Jade).Esta fórmula entre outras funções, tonifica o Qi (energia), consolida o Wei Qi (energia de defesa = imunidade), e atuam nas síndromes de invasão de energias perversas do tipo frio/vento exterior típicas da influenza. Um dos componentes desta fórmula parece ter a capacidade de modular as células T de maneira a aumentar a capacidade de defesa do organismo.

Em um outro artigo (COVID-19: An Update ontheEpidemiological, Clinical, Preventive and Therapeutic Evidenceand Guidelines of Integrative Chinese–Western Medicine for the Management of 2019 Novel Coronavirus Disease) recomenda fórmulas fitoterápicas diferenciadas dependendo do estágio da doença. O terceiro estudo (Clinical characteristics and therapeutic procedure for four cases with 2019 novel coronavirus pneumonia receiving combined Chinese and Western medicine treatment) demonstra estudos de casos clínicos retrospectivos, onde foram tratados quatro pacientes com COVID 19 em estágios clínicos semelhantes, sendo que dois receberam só tratamento alopático convencional e os outros dois o tratamento alopático + fórmulas fitoterápicas chinesas.

Se você se interessa pela fitoterapia, e quer manter-se atualizado, precisa ler estes artigos que separamos para você. 

Você encontra mais informações sobre o curso de PICS clicando aqui.

Veja Também